Notícias – UNIDAS Autogestão

NOTÍCIA: 28/03/2019 – Audiência debate relação contratual entre operadoras e prestadores

A relação contratual entre operadoras de planos de saúde e prestadores de serviços foi debatida na última sexta-feira (22/03), no Rio de Janeiro, em audiência pública promovida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). No evento, foram apresentados problemas regulatórios identificados na contratualização entre as partes e sugestões de encaminhamentos da agência reguladora para solucionar conflitos, com foco na boa prestação de serviço ao beneficiário de plano de saúde. A agenda faz parte das discussões que vêm ocorrendo no âmbito da Câmara Técnica de Contratualização e Relacionamento com Prestadores (CATEC), espaço técnico da ANS que realizou quatro reuniões, desde novembro de 2018, com representantes de operadoras, prestadores e entidades de defesa do consumidor.

Visibilidade – “A realização dessa audiência pública visa dar mais visibilidade à essa questão, garantir espaço para que a sociedade e outras entidades representativas participem do debate. É o momento dessa participação, após o levantamento inicial de temas e encaminhamentos. Todas as sugestões feitas aqui serão avaliadas pela ANS”, explicou o diretor de Desenvolvimento Setorial da Agência, Rodrigo Aguiar, na abertura do evento.

Maior interlocução – Participaram da agenda o diretor de Normas e Habilitação dos Produtos, Rogério Scarabel, e a diretora de Fiscalização, Simone Freire. Alinhamento que atende à necessidade de maior interlocução entre as diretorias, para permitir ações mais concretas sobre o tema. “Somente com a construção coletiva podemos avançar em um mercado de mais qualidade”, afirmou Scarabel. A diretora Simone Freire lembrou que a agenda da ANS tem buscado cada vez mais diálogo entre todos os atores do setor. “Uma das demandas identificadas é a criação de um canal de denúncias para os prestadores de serviços, que será comandada pela área de Fiscalização”, antecipou.

Itens – O diretor-adjunto de Desenvolvimento Setorial, Daniel Pereira, explicou sobre os itens que foram abordados na CATEC e o gerente-geral de Assessoramento Normativo e Contratualização, Gustavo Macieira, fez a apresentação das pautas e de sugestões de encaminhamento da reguladora. Participaram da audiência pública 143 pessoas, entre representantes de operadoras, prestadores, sociedade civil e da própria ANS.

Agendas – Foi apresentada uma das agendas que já está em andamento na Agência, possível a partir da discussão na CATEC, que é a realização de análise e estudos sobre glosa (cobrança contestada) e não pagamento por parte das operadoras. Também foram abordados temas como a remuneração de materiais de uso hospitalar, aplicação irregular de reajuste no contrato e subnotificação de irregularidades. Os presentes puderam fazer apresentações e explanações acerca do tema. FenaSaúde, AMB, Anahp e Abramge foram algumas das entidades que contribuíram com as discussões.

Determinação legal – O diretor Rodrigo Aguiar encerrou o evento lembrando que a ANS tem determinação legal de atuar em face de desequilíbrios no setor e problemas regulatórios. “A proposta é ser o menos interventivo possível, mas é nossa obrigação atuar em prol da equidade e da isonomia, para que essa balança seja justa e esse equilíbrio beneficie o consumidor”, destacou. O diretor lembrou ainda que a proposta da audiência não era sair com um resultado definitivo, mas levantar subsídios para avaliar uma regulamentação sobre a contratualização entre as empresas. (ANS)

NOTÍCIA: 28/03/2019 – Fundação Copel: Check up 2019 começa dia 1º de abril

Aposentados, cônjuges e pensionistas terão de 1º de abril até 30 de novembro para a realização dos exames e consultas do checkup anual. As guias deverão ser retiradas no portal, na área restrita mediante login e senha.

O programa compreende:

– Três consultas médicas (uma sem especialidade definida, podendo ser escolhida pelo beneficiário e outras duas direcionadas para as especialidades de cardiologia e urologia ou ginecologia).

*Os beneficiários de Curitiba, com mais de 65 anos terão à sua disposição uma consulta de geriatria que contemplará uma avaliação geriátrica ampla. O exame cardiológico (que pode ser optado por eletrocardiograma ou teste de ergométrico), exames laboratoriais, uma consulta com dentista e mamografia para mulheres.

– Exame de PSA (Antígeno Prostático Específico) para os beneficiários com idade igual ou superior a 50 anos.

– Exame de sangue oculto nas fezes, para os beneficiários com idade igual ou superior a 50 anos e inferior a 75 anos.

-Exame de mamografia anual para as mulheres com idade igual ou superior a 45 anos e bianualmente para as mulheres com idade igual ou superior a 40 anos e que não tenham realizado o exame nos dois últimos anos.

Mais do que auxiliar no diagnóstico de possíveis doenças, o checkup é a melhor arma que a medicina preventiva oferece a favor da sua saúde. (Fundação Copel/AssPreviSite)

NOTÍCIA: 04/04/2019 – Câmara de Saúde Suplementar realiza primeira reunião de 2019

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) promoveu nesta terça-feira (02/04) a 97ª reunião da Câmara de Saúde Suplementar (CAMSS), a primeira edição de 2019. Os diretores Leandro Fonseca, Simone Freire, Rodrigo Aguiar, Rogério Scarabel e Paulo Rebello conduziram o encontro e deram as boas-vindas aos novos membros que farão parte do fórum no biênio 2019-2020. Ao todo, 64 pessoas, entre titulares, suplentes e ouvintes participaram da reunião.

Na seção de informes, o diretor-presidente substituto, Leandro Fonseca, deu conhecimento sobre duas consultas públicas que estão em andamento – Agenda Regulatória e Processo Regulatório – e sobre recente audiência pública que tratou do relacionamento e contratualização entre operadoras de planos de saúde e prestadores.

Confira a Portaria que detalha os novos membros da Câmara através do link

http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/69667105/do2-2019-04-02-portaria-n-10-220-de-1-de-abril-de-2019-69666881

Dando início às apresentações e debates, a gerente de Planejamento, Mirella Amorim, explicou em mais detalhes a consulta pública que definirá o texto da Agenda Regulatória 2019-2021. Mirella destacou que o período de contribuições ainda está aberto (até o dia 05/04) e esclareceu aos presentes quais são as etapas seguintes ao fechamento das contribuições. A Agenda Regulatória é um instrumento de planejamento que agrega o conjunto de temas estratégicos e prioritários, necessários para o equilíbrio do setor, que são objeto da atuação da ANS. Veja mais detalhes da consulta pública e dos temas em discussão.

Na sequência, o diretor-adjunto de Desenvolvimento Setorial, Daniel Pereira, falou sobre agendas recentes realizadas pela área – o Fórum ANS sobre Qualidade na Atenção à Saúde, a 4ª reunião da Câmara Técnica de Contratualização (Catec), realizada no dia 21/03, e a audiência pública que tratou deste mesmo assunto, realizada no dia 21/03. O diretor-adjunto destacou os temas que foram abordados no Fórum: o lançamento do Guia para Implementação dos Modelos de Remuneração Baseados em Valor; o Programa de Certificação de Boas Práticas de Atenção à Saúde, com destaque para o Projeto de Atenção Primária à Saúde (APS); e resultados alcançados pelos projeto OncoRede e Parto Adequado. Confira aqui mais informações.

O item seguinte foi apresentado pelo diretor-adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras, Cesar Serra, que falou sobre a consulta pública que trata do Capital Regulatório. Serra deu um panorama de como evoluiu a regulação econômico-financeira e o processo de modernização regulatória do setor que vem sendo promovido pela ANS. O prazo para contribuições a esta consulta pública também encerra na sexta-feira (05/04). Saiba mais.

Em seguida, o representante da Associação Médica Brasileira, Carlos Alfredo Lobo Jasmin, falou sobre o processo de atualização do Rol de Procedimentos. Ele manifestou a preocupação da entidade com os custos relacionados à avaliação do impacto econômico-financeiro – informação exigida para justificar os pedidos de inclusão de novas tecnologias no Rol. Os participantes debateram também as melhorias trazidas pela normativa que estabelece fluxos e etapas para a revisão periódica do Rol, implementada em dezembro do ano passado. Em seguida, Alessandro de Toledo, da Associação Nacional das Administradoras de Benefícios (Anab), apresentou o Programa de Incentivo à Capacitação dos Profissionais da Saúde Suplementar e fez um panorama sobre as principais demandas na Justiça. Finalizando a reunião, Sidney Rosa, do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) falou sobre causas, impactos e propostas de interface do órgão para reduzir a judicialização no setor.

A reunião foi transmitida pelo Periscope, dando total transparência às discussões para toda a sociedade. Interessados em rever o encontro podem acessar o link

https://www.pscp.tv/w/1vOGwZdVqoNKB (ANS)

NOTÍCIA: 04/04/2019 – FenaSaúde: 3º Encontro de Comunicação da Saúde Suplementar

Tema desta edição abordará a jornada do beneficiário de plano de saúde com Atenção Primária à Saúde

A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) realizará, dia 23 de abril, em São Paulo, o 3º Encontro de Comunicação da Saúde Suplementar. Uma iniciativa inovadora, ao reunir diretores e assessores de operadoras, representantes de entidades da cadeia do setor e jornalistas da grande imprensa e do trade de seguros, o objetivo é promover uma ampla discussão sobre temas estratégicos e aprofundar o diálogo e a compreensão mútua entre as empresas de saúde suplementar, a imprensa e demais atores do setor. O tema deste ano será ‘Propostas para conter a escalada de custos e fornecer assistência de qualidade, com foco na Atenção Primária à Saúde (APS)’. As vagas são limitadas e as inscrições já estão abertas.

“O encontro busca aperfeiçoar o trabalho contínuo de Comunicação da Saúde Suplementar com a sociedade. Este ano, para fortalecer o setor, entre outras medidas, defendemos a implementação da Atenção Primária à Saúde, como base do sistema para organizar a assistência e o encaminhamento para os outros níveis de atenção. Isto contribuirá para melhorar a eficiência no uso dos recursos e a qualidade do serviço prestado, reduzindo gastos desnecessários e, principalmente, proporcionado uma melhor gestão do cuidado à saúde do beneficiário”, aponta João Alceu Amoroso Lima, presidente da FenaSaúde.

Informação – Para debater esse novo modelo de assistência, a proposta do 3º Encontro de Comunicação da Saúde Suplementar é ampliar a discussão a partir de questionamentos da sociedade. Durante o evento, Gustavo Gusso, professor de Clinica Geral e Propedêutica da Universidade de São Paulo (USP) irá apresentar um painel sobre a jornada assistencial do paciente que tem plano de saúde hoje e como essa deve ser em um plano com programa de APS.

Como essa assistência se dá na cadeia da Saúde Suplementar? Qual o comportamento que esse beneficiário deve ter nesse novo modelo de assistência? Quais são os resultados? Esses e outros pontos serão debatidos, no painel comandado por José Cechin, diretor-executivo da FenaSaúde, a partir de um levantamento sobre resultados da APS em algumas associadas da FenaSaúde.

Atualmente, o modelo de atenção à saúde predominante no setor é baseado no atendimento médico fragmentado e voltado ao tratamento da doença. O resultado dessa forma de trabalho tem demonstrado, em alguns casos, ineficiência no atendimento e gerado desperdícios no sistema de saúde, que sofre com a escalada dos custos assistenciais. E o pior: sem indicar resultados clínicos melhores para os beneficiários de planos de saúde.

Para mudar esse quadro, as operadoras estão buscando o modelo coordenado da APS, que, em sua essência, está voltado para uma visão de cuidado integral do cidadão, com foco em ações de prevenção e promoção à saúde a partir de equipes de medicina da família.

Edições passadas – Em abril de 2018, o 2º Encontro de Comunicação da Saúde Suplementar debateu os fatores do reajuste dos planos de saúde e a dificuldade em transmitir à sociedade as reais causas que determinam os índices de aumento.

Já o 1º Encontro de Comunicação, em 2017, promoveu uma ampla discussão sobre o posicionamento do setor da Saúde, levantando questões cruciais para o entendimento dos consumidores sobre os planos de saúde.

Para acessar a programação e demais informações utilize o link

https://eventos.cnseg.org.br/eventos/evento/3-encontro-de-comunicacao-da-saude-suplementar/ (FenaSaúde)

NOTÍCIA: 04/04/2019 – UNIDAS: 10º Seminário

10º Seminário UNIDAS

29 e 30 de abril

Windsor Plaza Hotel, em Brasília-DF

Endereço: SHS – Setor Hoteleiro Sul, Quadra 5 – Bloco H – Brasília (DF)

O seminário promoverá debates com executivos de instituições filiadas e não filiadas à UNIDAS, sobre sustentabilidade do setor de saúde, incluindo as autogestões, atenção primária e mudanças no modelo assistencial.

A expectativa é que, mais uma vez, o evento tenha recorde de público.

Ao promover seu tradicional seminário anual, a UNIDAS proporciona a difusão de conhecimento, a troca de informações e o debate de experiências em gestão de saúde para estimular a reflexão com todos os agentes do segmento, ao mesmo tempo em que proporciona o relacionamento entre as filiadas, seus gestores e os representantes de diversos segmentos do mercado.

Os debatem realizados no seminário contribuem para o aperfeiçoamento do sistema de saúde e melhor qualidade da assistência à saúde ofertada aos trabalhadores brasileiros.

Informações

(11) 3289-0855

Seminario@unidas.org.br (Unidas/AssPreviSite)

NOTÍCIA: 17/05/2019 – UNIDAS: Curso de Gestão em OPME

Dias 23 e 24 de maio, das 9h às 17h30

Local: Alameda Santos, 1000

Cerqueira César – São Paulo/ UNIDAS NACIONAL

Ministrado por Andréa Bergamini

OBJETIVO EDUCACIONAL

As OPMEs, atualmente, representam um dos componentes que levam à discussões comerciais e técnicas entre as partes envolvidas no processo, tanto na Saúde Pública quanto na Saúde Suplementar. Diante da complexidade que envolve o tema, cada vez mais se torna imprescindível a apresentação deste mercado para o setor saúde para ajudar na tomada de decisão. O mercado de OPMEs apresenta as seguintes características: deficiência na padronização de nomenclatura; inexistência de referencial de preços; insuficiência sobre as indicações de uso e fragilidades nos mecanismos de aquisição e controle.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

O objetivo deste curso é contribuir com a qualificação aos profissionais que atuam no setor saúde, de forma integrada. Uma das ações necessárias para enfrentar a problemática do crescente custo das OPMEs no País, e utilização desnecessária destes produtos certamente é a capacitação e formação continuada das equipes multiprofissionais que atuam no setor saúde.

METODOLOGIA DE ENSINO

Aulas presenciais com apresentação oral, apresentação de vídeos e oficina de casos práticos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (carga horária: 16 horas)

– Contextualizando o OPME

– Impactos do OPME nos Custos Assistenciais

– Características do mercado

– Regulamentações Importantes

– Cenário Atual

– Estratégias de Auditoria

– Incorporação de Novas Tecnologias

– Judicialização

– Auditoria em OPME nas diferentes especialidades: Cardiologia, Neurointervenção, Ortopedia, Endovascular

– Análise técnica e elaboração de pareceres

PÚBLICO-ALVO

Médicos, Enfermeiros e Farmacêuticos Auditores, Administradores, Profissionais Compradores, Membros de equipes de Cadastramento, Faturamento, Atendimento e Auditoria em Saúde de Hospitais, Clínicas, Operadoras e demais profissionais envolvidos com OPME

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES

UNIDAS NACIONAL | www.unidas.org.br

treinamento@unidas.org.br | (11) 3289.0855 (Unidas/AssPreviSite)

NOTÍCIA: 04/07/2019 – ANS participa de congresso de secretarias municipais de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está participando do XXXV Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), que acontece até amanhã, 5 de julho, em Brasília.

O evento reúne gestores municipais de saúde, trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS) e demais esferas de governo e representantes de instituições ligadas à saúde pública, sendo uma importante oportunidade para troca de experiências e informações que impactam diretamente na saúde da população.

A ANS mantém um espaço dentro do estande do Ministério da Saúde para prestação de informações e esclarecimento relacionados à atuação, projetos e ações da autarquia na regulação de planos de saúde. Nesta terça-feira (02/07), a gerente de Integração e Ressarcimento ao SUS, Fernanda Freire de Araújo, realizou uma oficina sobre o processo de ressarcimento efetuado pelas operadoras de planos de saúde ao SUS. Ela explicou como é realizada a identificação e cobrança dos atendimentos de beneficiários de planos na rede pública e falou sobre os números alcançados.

“A identificação dos atendimentos passíveis de ressarcimento é obtida pela ANS após um cruzamento de dados das operadoras e informações registradas no SUS por Autorização de Internação Hospitalar (AIH) e Autorização de Procedimento Ambulatorial (APAC). O resultado do cruzamento é enviado para as operadoras, que podem acatar a cobrança ou contestá-la”, explicou a gerente.

Em 2018, a ANS repassou o valor recorde de R$ 783,38 milhões ao Sistema Único de Saúde. Foi o maior valor anual pago no ressarcimento desde o ano 2000, quando a Agência foi criada e houve o primeiro repasse para o Fundo Nacional de Saúde. Clique aqui e confira o boletim com os dados completos sobre o tema.

Desde o início do ressarcimento, a ANS cobrou das operadoras de planos de saúde R$ 4,38 bilhões, que equivalem a mais de 2,9 milhões de atendimentos realizados no SUS, sendo que, deste valor, R$ 1,02 bilhão foi cobrado somente no ano de 2018. Em 2018, houve um aumento de quase 39% no valor dos atendimentos cobrados e cerca de 37% no número de atendimentos a beneficiários de planos de saúde no SUS. Ou seja, tanto em número quanto em valores, no ano de 2018 estabeleceu-se novo recorde de cobrança.

Nos últimos 18 anos, a ANS fez um repasse no total de R$ 2,85 bilhões ao Fundo Nacional de Saúde. Do saldo restante, R$ 1,14 bilhão são débitos vencidos e não pagos, dos quais R$ 740,60 milhões foram inscritos na dívida ativa. Além disso, mais de R$ 359 milhões estão com a cobrança suspensa por decisão judicial.

Fernanda destacou que quando a operadora de plano de saúde não efetua voluntariamente o pagamento dos valores apurados, ela é inscrita na dívida ativa e no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (CADIN), bem como fica sujeita à cobrança judicial. Em 2018, a ANS encaminhou R$ 88,50 milhões para a dívida ativa. Desde o ano 2000, o ressarcimento ao SUS já encaminhou R$ 972,88 milhões para inscrição em Dívida Ativa. Entre 2001 e 2018, as quantias depositadas em juízo correspondem a R$ 359,67 milhões. Porém, somam-se a esse valor R$ 112,97 milhões em juros e R$ 69,30 milhões em multas no período (caso esses depósitos tenham ocorrido após os vencimentos das Guias de Recolhimento da União – GRUs).

Confira mais informações sobre o XXXV Conasems.através do link

https://www.conasems.org.br/congresso/index.php (ANS)

NOTÍCIA: 04/07/2019 – UNIDAS: Revendo e repensando os contratos de credenciamento

Dia 19 de julho – das 9h às 17h30

Local: Alameda Santos, 1000. – Cerqueira César – São Paulo

PALESTRANTE

José Luiz Toro da Silva

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

A importância da contratualização

As cláusulas mínimas obrigatórias

Critérios de acesso do beneficiário à rede prestadora de serviços de saúde, estrutura da rede prestadora com base em APS, mecanismos de regulação e gestão de riscos

Os contratos com os credenciados e a Lei Geral de Proteção de Dados

Os critérios de remuneração e reajustes

O fator de qualidade e a definição de atributos de qualidade e desempenho

Os novos modelos de remuneração:

7.1 – Fee-for-service com bônus de performance

7.2 – bunders

7.3 – captation

7.4 – Orçamento Global

7.5. – Outros modelos

Os problemas regulatórios constatados nos contratos de credenciamento – Como enfrenta-los?

8.1 – Remuneração de materiais e medicamentos de uso hospitalar

8.2 – A Resolução CMED n. 02 e suas consequências

8.3 – Remuneração por pacotes

8.4 – Dificuldades de negociação

8.5 – Glosas

8.6 – Não pagamento da remuneração devida pelo procedimento

8.7 – Aplicação irregular do reajuste previsto contratualmente ou determinado pela ANS

8.8 – Reajuste Zero

8.9 – Adoção da Tabela TUSS

8.10 – Rescisão contratual

– OPMEs

Novos modelos de contratação

Os critérios para substituição de rede hospitalar e não hospitalar

Os critérios para redimensionamento de rede hospitalar

As implicações decorrentes da rede indireta – compartilhamento de rede

As sanções da ANS

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES

UNIDAS | www.unidas.org.br

treinamento@unidas.org.br | (11) 3289.0855 (Unidas/AssPreviSIte)

NOTÍCIA: 25/07/2019 – ANS e Sesi realizam ‘Diálogo de Saúde Suplementar’

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realizará no dia 12/08 o “2º Diálogo de Saúde Suplementar: o Desafio da Coordenação do Cuidado nos Planos Coletivos Empresariais”. Realizado em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi), tem por meta promover a reflexão e a colaboração acerca da coordenação do cuidado em saúde entre operadoras e empresas contratantes de planos de saúde. Atualmente, 67% dos beneficiários de planos de saúde estão em planos coletivos empresariais.

A coordenação do cuidado visa a obtenção de melhores desfechos em saúde, menos desperdícios e sinistralidade, favorecendo a promoção da saúde e a prevenção e controle de doenças. Nesse sentido, o encontro tem os seguintes objetivos:

•Criar um espaço de diálogo colaborativo entre indústrias e operadoras de planos de saúde

•Repensar o papel dos diversos atores envolvidos para a promoção da melhoria do sistema de saúde suplementar;

•Fortalecer relações entre contratantes de planos de saúde (indústrias) e operadoras, de forma a qualificar a prestação do cuidado na saúde suplementar e garantir sua sustentabilidade.

2º Diálogo de Saúde Suplementar – O Desafio da Coordenação do Cuidado nos Planos Coletivos Empresariais

Data e horário: 12/08/2019, das 8h30 às 17h30

Local: Casa Firjan – Rua Guilhermina Guinle 211 – Botafogo – Rio de Janeiro

Público-alvo: Representantes de operadoras de planos de saúde e gestores de saúde de empresas contratantes.

Inscrições:

Para solicitar a sua inscrição utilize o link

https://www.ans.gov.br/sisge/cadastro/default.asp?id=26

As vagas são limitadas.

Os próximos encontros serão realizados no dia 27/08, em Salvador, e 09/09, em Curitiba. Mais informações serão divulgadas oportunamente. (ANS)

NOTÍCIA: 25/07/2019 – 22º Congresso Unidas – 23 a 25 de outubro de 2019

O 22º Congresso internacional UNIDAS debate a importância das autogestões na transformação da saúde no Brasil

Congresso acontece entre os dias 23 e 25 de outubro, em Atibaia-SP; inscrições para participar do evento estão abertas

A UNIDAS (União Nacional das Instituições de Autogestões em Saúde), entidade representativa do setor, vai debater a importância das autogestões na transformação do setor da saúde do Brasil no seu 22º Congresso. As inscrições para participar do evento, que acontece entre os dias 23 e 25 de outubro, estão abertas.

O 22º Congresso Internacional UNIDAS, que é um dos mais importantes da área e fomenta as discussões do setor, reúne diversos profissionais da área da saúde, incluindo gestores de planos de saúde, dirigentes e executivos de instituições públicas e privadas, médicos, enfermeiros, acadêmicos, formadores de opinião e prestadores de serviços. Neste ano, 800 congressistas devem acompanhar as discussões.

Durante o Congresso acontecerá a 5º Expo UNIDAS, na qual empresas fornecedoras expõe seus produtos e serviços desenvolvidos para atender o sistema de saúde brasileiro, incluindo equipamentos, soluções tecnológicas e ferramentas de gestão.

As autogestões reúnem as operadoras de saúde sem fins lucrativos ligados às empresas do setor público e privado. Além disso, o segmento é considerado o formato ideal de saúde corporativa, onde os colaboradores têm participação ativa e decisória na gestão dos planos. Atualmente, as autogestões representam um universo de quase 5 milhões de beneficiários, composto por mais de 150 operadoras de saúde de diferentes portes e com diferentes modelos de relação empregado/patrocinador (empresa à qual a operadora é ligada).

Para o presidente da UNIDAS, Anderson Mendes, as autogestões têm um papel fundamental na transformação do setor no país. “A população brasileira está envelhecendo cada vez mais, trazendo um cenário desafiador na área da saúde, que precisa rever o seu modelo assistencial e trabalhar com foco em atenção primária à saúde. A autogestões se destacam por terem sido as primeiras a iniciar programas e discussões sobre importância da atenção primária à saúde, que é o futuro do setor, e representam hoje o melhor modelo de plano de saúde tanto para as pessoas, quanto para as empresas”.

Serviço

22º Congresso UNIDAS

De 23 a 25 de outubro de 2019

Bourbon Atibaia Resort – Atibaia (SP)

Inscrições: http://22congresso.unidas.org.br/ (Stefani Paraíso – Segs)